sexta-feira, 27 de julho de 2012

Cena de novela


- Dá aqui minha cerveja, rápido. Alcança lá o pote de amendoim no armarinho, a novela vai começar.

- Mas, Agenor, a gente nem conversa mais... essas novelas... esse sensacionalismo todo. Qué isso?

- Pompéia, não reclama não, hoje não tô muito bom. Pega minha latinha e senta esse traseiro gordo aqui do meu lado. Hoje a novela tá boa, a mocinha vai se vingar da bandida. Vai começar...

Plim. Plim. – Primeiro você trate de limpar essa casa toda, como uma empregadinha mesmo. Muito bom. – Agora vou fazer de você uma escrava, vou te foder todos os dias.

- Tá vendo, mulher? Essas vinganças não tem preço!

- Agenor, não acredito que você vibre com esse tipo de coisa. Crueldade, sangue frio, arghhh...

- Mulher, cala a boca, não sabe o que está dizendo, deixa eu assistir, acabaram os comerciais e vai começar a segunda parte...

Plim. Plim. – Essas cordas aqui são pra te amarrar, você que sempre fez mal pra mim, agora vai pagar caro, chega de ser boazinha, agora quem é a vilã sou eu. E essa fita é pra tapar sua boca imunda.

- Issoooooooooo! Aí sim, olha aí a gostosinha dando o troco na bandida! Pega pra capar! Ah, mulher, vai buscar outra cervejinha pra mim! Agooooooooooora!

- Agenor, empregada é só na novela que você tá assistindo. Tá achando que eu sou uma dessas também? Toma, tá aqui sua cerveja, essa é a última viu...

- Põe aí na mesa, vou dar uma mijada, já que o comercial começou.

Plim. Plim. – Tá vendo essa faca? É pra cortar você inteira, tirar seu escalpo, da cabeça aos pés. Chega, essa é minha hora de ser a vilã. Toma essa! E essa! E essa!

- A cerveja tá quente, sua filha de uma puta. Pegou de onde? Do armário? Corre lá, sua gorda, traz uma gelada agoraaaaaa!!!!!!!

Cena final

Pompéia voltou da cozinha com um facão, bem maior que o da novela. Num ato impulsivo, perfurou o corpo inteiro de Agenor com o instrumento cortante. Encheu a casa inteira de sangue, como na novela.

Deu as costas, a única coisa que se ouviu foi o barulho da faca caindo no chão: Plim. Plim.

Por: Reverendo Lezzagon

6 comentários:

  1. Zentem, esse porco chauvinista teve o fim que mereceu!

    ResponderExcluir
  2. Ótima idéia tô pensando em fazer o mesmo com imprestável do Aderbal. Humpf.

    ResponderExcluir
  3. kkkkkkkkkkkkkk Racho com esse blog. Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Sou roteirista da Rede Globo. Algum problema com a novela??? Não entendi os motivos da chacota.

    ResponderExcluir
  5. Aiiii amigo aí de cima! Que tudo!!! Escreve um roteiro de uma novela bem corrosiva, vai???
    Beijos Brazil!
    Kassandra

    ResponderExcluir
  6. Saudade daquela novela que foi inspirada em mim e meus empreendimentos.Filipe Barreto o Dono do Mundo.Não se tem mais autores como antigamente mesmo e logo se vê por esse blogue.
    Mas meus advogados já estão cuidado de tudo. Me aguardem!

    ResponderExcluir