sexta-feira, 10 de maio de 2013

Coração de mãe


Coração de mãe não se engana. Já o meu, sempre me colocou em apuros. Nunca fui bom com as mulheres. Deve ser pelos meus genes artísticos, não tenho certeza. Quando conheci a última, pensei que seria diferente. A cada encontro, um sedimento de confeito insistia no paladar. As formigas se tornaram presença comum em nosso quarto. Era engraçado. Doce e engraçado.

A velha alertou: Cuidado! Essa pensa que gosta de ti, mas tem inclinação à vida dupla. Ares estranhos sobrepuseram-se ao que, antes, era açúcar. Insinuava-se em seus suspiros uma borra mineral, vermelha, equina e que impregnava o quarto com um ar de velhas histórias e repetições. Havia uma presença estranha, incômoda feito cisto que não pode ser drenado. As formigas desapareceram.

Numa sexta-feira, a velha colocou as cartas na mesa.Vem, quero te mostrar. E ali estava ela, pronta para entregar-se a outro. De longe, senti o aroma doce que ela irradiava e que, em nossas tardes, noites e manhãs, tornara-se raro. O coração dela já não é mais teu, sentenciou.

Voltamos para a casa, calados. Mais tarde, enquanto mamãe dormia, afundei o martelo em seu crânio. Depois, com a faca mais afiada, despedacei aquele coração seco e certo. O que restou, enterrei no quintal. À namorada, não disse palavra. Há dias em que ela some, não me atende ou prolonga-se em silêncios dignos de rocha. Ainda assim, aos poucos, parte daquele sedimento voltou. Agridoce, é verdade. Mas, quem se importa?
Ignorance is bliss.   

Por: Guinea Pig 

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Always listen to mom. And eat more vegetables.Sweet is bad for your heart.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir