terça-feira, 12 de abril de 2011

Transa espacial

Jana morava com a mãe, o pai e a avó. A família vivia feliz e galopante até o fatídico 20 de março de 2010. Jeová e Malena foram viajar, mas deixaram a adolescente em casa com a velha avó.
Deu na TV. O avião do casal caiu. Tinha braço para um lado. Perna pro outro. Tinha corpo sem cabeça. Cabeça sem corpo.

Jana assistiu o plantão do noticiário com a avó. As duas choraram copiosamente. Dona Mercedes, trêmula e apoiada na bengala, recobrou os sentidos e disse:
- Minha netinha, sabe o que mantinha seus pais tão felizes? A transa espacial. Esse é um segredo mantido a sete chaves pelas mulheres de nossa família e, agora, cabe a mim passar isso para você.

E a velhota contou a obscura técnica de sexo para sua neta. A transa espacial havia sido mais uma vez passada adiante. Noi instante seguinte, o coração da velha parou. Empacotou ali na sala mesmo.

Dias depois, Jana arrumou um namoradinho e contou pra ele que sabia fazer a transa espacial. O sujeito ficou louco na hora. Ficou rígido, gotejante.

- Amor, vamos fazer a transa espacial hoje? – Perguntou o excitado rapaz.

- Não podemos, temos que noivar primeiro. – Afirmou, decidida a mais nova iniciada na transa.

Rapidamente ajeitaram tudo e ficaram noivos.

- Amor, agora que estamos noivos, podemos fazer a transa espacial?

- Ai querido, ainda não. Não estou preparada. Vamos casar, e aí fazemos, ok? – Mais uma vez disse, decidida, Jana.

Rapidamente ajeitaram tudo e casaram. Dentro da limusine o rapazinho suava, enquanto Jana prometia que aquela era a grande noite. A vez da transa espacial.

Chegaram correndo ao motel. Tavares foi tomar banho primeiro. Deixou tudo molhado. Espuma pra todo lado.

- Meu marido... é chegada a hora. Agora vou me banhar e me preparar. Vou te ensinar a transa espacial.

Jana estava pronta, quando ia sair da banheira, derrapou os pés. Desequilibrou e bateu a cabeça na quina. Jorrou sangue. O segredo da transa espacial morreu junto com ela. Ali mesmo, naquele ensaboado banheiro de motel.

Por: Reverendo Lezzagon

Um comentário:

  1. Caro Reverendo,
    Após ler seu conto, ilustre grão mestre, ficou uma sugestão ao mancebo curioso e recem viúvo personagem do conto: que tal aprazir a curiosidade com a avó da falecida?
    Atenciosamente,
    Coronel Malaquias

    ResponderExcluir