sábado, 13 de outubro de 2012

Poeta da Mega-sena

Minha Mega-Sena

"Viver é ter sem trabalhar
Ceifar sem plantio
É doentio, eu sei, mas
viver assim, me satisfaz

Mega-sena sou eu que faço
Minha vida é jogo que se joga
Joga fora, viver sem ter
Tendo tudo o que quero ser

E no luxo da mente mediana
Recolho o lixo dos medíocres
Faço piada, faço dinheiro fácil
Ter tudo, é o que quero ser

Ralo muito para ser vadio
Essa sempre foi minha sina
Ter tudo é doentio
Ser livre me alucina"

--------------------------------------------------------------------------------------------------

Palhares respirou fundo... riu e bradou:
- Aê! O vagabundo é poeta! HaHaHa! Além de saber demais ainda faz recital? Filho da puta!!

E continua:
- Marola, queima o arquivo e tira os dente pra não dar BO...

Corrupção, coleta de lixo, eleições e escândalos. Não, a quadrilha não queria cantoria. Para eles, vereador bandido era bom até virar boca mole, fazer rima. Palhares, o cabeça, até gostava de poesia, mas não levaria provas. Deixou essa no bolso de Amorim, que estava no microondas. Amordaçado não pode declamar seu último canto enquanto derretia feito vela.

Pra família, disseram que Amorim fugiu com uma loira. Sem deixar vestígios, entrou pra Sociedade dos Poetas Mortos.

por Coronel Malaquias

Nenhum comentário:

Postar um comentário