terça-feira, 10 de julho de 2012

Novela das oito


Quem poderia imaginar que Maria Duda aprontaria uma daquela? Ah, mãe, não enche! Cobertura no Leblon, colégio particular, academia, amigos endinheirados. Lipo e silicone, surf na Macumba, passeios de Cayenne.

Ela estava enjoada das picas bem nascidas.

Quando Xerxes apareceu, Maria Duda só queria tirar uma onda. Puro caô. O rapaz morava longe e fazia dinheiro grosso. Ouro amarelo no pescoço, ouro branco na narina dos grã-finos. Dólar na carteira e Juliet na cara, metendo a mala. À Maria Duda prometeu: Você será a minha fiel, te darei o mundo...o mundo!
Para ela foi pouco. A patricinha riu. Se liga, favelado, vê lá se eu sou mulher de bandido. Teu prazo de validade já expirou...rala! Naquela noite, Xerxes dormiu com o coração em pedaços.

Dias depois, quem encontrou os cadáveres foi um lixeiro. Doutor Abelardo e esposa, reduzidos a porções miúdas.A sociedade, indignada, mobilizou-se em passeatas. Pela paz, pediam.

Logo depois do velório, Xerxes surgiu montado em sua R6. À Maria Duda ordenou: É melhor subir na garupa e vir comigo. A garota obedeceu. Aquela não era uma obra de ficção, o que acontecera aos seus pais não fora mera coincidência.

Por: Guinea Pig

2 comentários:

  1. A última novela que assisti foi Viver a Vida, de Manoel Carlos. Foi a melhor novela de sempre, na minha opiniao.

    Espero que o autor esteja escrevendo uma próxima.


    O seu blog é muito bom.

    Abraço,

    http://silenciosquefalam.blogspot.pt/
    http://www.facebook.com/silenciosquefalam

    ResponderExcluir
  2. Assististe Roque Santeiro, meu caro? Contracenei lá por dois dias como Jagunço, ganhando cachê em saudosos Cruzeiros Novos que gastei em um Chevette 77. Obrigado. Coronel Malaquias.

    ResponderExcluir